LAUDO DO EXAME DE CORPO DELITO DE ROBERTO MACARINI

ROBERTO MACARINI (1950-1970)

Filiação: Herminia Juliano Macarini e Dolarato Antônio Macarini

Data e local de nascimento: 15/07/1950, São Paulo (SP)

Organização política ou atividade: VPR

Data e local da morte: 28/04/1970, São Paulo (SP)

O estudante e bancário Roberto Macarini,de 19 anos,foi preso em São Paulo no dia 27/04/1970 e levado à sede da OBAN,onde foi submetido a violentas torturas. Militante da VPR,teria sido levado pelos agentes policiais,conforme a versão oficial,a um suposto encontro com companheiros da organização clandestina no Viaduto do Chá,onde atirou-se sobre o Vale do Anhangabaú,tendo morte instantânea.
Foi sepultado por seus familiares no cemitério da Vila Formosa.
De acordo com denúncia apresentada por presos políticos,de fevereiro de 1973,reproduzida no
Dossiê dos Mortos e Desaparecidos,Macarini foi preso pelo DOI-CODI/SP e torturado pela equipe C,dirigida pelo capitão do exército Homero Machado e pelos seguintes policiais:
escrivão de policia Gaeta;funcionário da Polícia Federal de alcunha “Alemão”,tenente da Aeronáutica que participou do IPM da Frente Unida dos Estudantes do Calabouço,de nome Alberto;o carcereiro de alcunha “Lungaretti”.
No dia 28/4/1970,Macarini foi retirado do DOI-CODI pela equipe do capitão PM Coutinho,capitão do Exército Benoni de Arruda Albernaz; capitão PM Tomas;investigador do DEIC Paulo Rosa;tenente do Cenimar de alcunha “Marinheiro”,cabo PM de alcunha “DKW”;um delegado de polícia que anteriormente havia servido em São Carlos (SP),de alcunha “Dr. Raul”,e outros.
Fichas sobre Roberto Macarini foram encontradas nos arquivos do DOPS de São Paulo e se referem ao suicídio,ao material de imprensa contendo a denúncia da morte sob tortura e,em uma delas,consta textualmente:torturado p/ equipe C do Exército.
O já mencionado relatório da Marinha,de 1993,confirma a versão oficial,agregando que o fato não fora noticiado para não prejudicar as operações em curso de desmantelamento da VPR. A requisição do laudo de necropsia foi feita pelo delegado Michel Miguel,está assinalada
com um “T”,e é assinada pelos médicos legistas Samuel Haberkorn e Paulo Augusto Queiroz Rocha,que atestaram a causa mortis como “
choque traumático,lesões traumáticas crânio encefálicas”.
A relatora pediu a aprovação alegando que fora confirmada a prisão e,conforme a própria ficha do DOPS,a tortura. Foi acompanhada em seu voto por todos os integrantes da CEMDP.

+ Informações.

ROBERTO MACARINI
Militante da VANGUARDA POPULAR REVOLUCIONARIA (VPR).
Nasceu em São Paulo,filho de Dolorato Antonio Macarini e Hermínia Juliano
Macarini. Bancário,foi morto aos 19 anos,no dia 17 de abril de 1970.
Preso em abril de 1970 por policiais e levado para a sede da OBAN foi torturado
durante dois dias ininterruptos pelo capitão Benoni Arruda Albernaz e capitão Homero
Cesar Machado,com suas respectivas equipes. Roberto,profundamente debilitado em
conseqüência das torturas,fez com que seus carrascos o levassem a um suposto encontro
com companheiros. Chegando ao Viaduto do Chá,atirou-se de cima do viaduto,segundo a
versão oficial.
A requisição do laudo de necrópsia foi feita pelo Delegado Michel Miguel e assinado
pelos médicos legistas Samuel Haberkorn e Paulo Augusto Queiroz Rocha.
Foi enterrado no Cemitério de Vila Formosa por seus familiares

 


 

Compartilhe:

Deixe um comentário

Todos os campos sinalizados (*) são obrigatórios