DOCUMENTO DESMENTE VERSÃO DO EXERCITO SOBRE MORTE DE EDUARDO LEITE “BACURI”

É difícil para mim falar de Eduardo Collen Leite. Devido a vários fatores, mesmo sendo muito difícil, é extremamente necessário falar desse homem.

Eduardo nasceu em Minas Gerais no ano de 1945, era técnico em telefonia, começou a militar muito cedo no POLOP ( Política Operária ) e no ano de 1967 serviu as forças armadas na 7ª Companhia de Guarda e depois no Hospital do Exército no bairro do Cambuci. Em 1968 Eduardo entra para a VPR ( Vanguarda Popular Revolucionária ), onde milita até o ano de 1969 e no mês de abril desse ano se desliga da VPR para fundar a REDE ( Resistência Democrática ) e posteriormente ele e alguns militantes da REDE vão para a ALN (Ação Libertadora Nacional ).

A vida de Eduardo é marcada pelas ações armadas que ele participa. A sua coragem, inteligência e disciplina são características na vida desse guerrilheiro, que os companheiros dele fizeram questão de frisar. Para o ex-guerrilheiro Carlos Eugenio Paz, Eduardo era um homem de uma inteligência acima da média. Já a ex-guerrilheira Rosa Paz afirma que Eduardo passava muita segurança e confiança aos seus parceiros. O também ex-guerrilheiro Alfredo Sirkis o chama de “herói” no livro de sua autoria livro chamado Os Carbonários.

Por mais elogios que possam ser feitos a Eduardo é fácil falar de suas ações na luta contra a ditadura. Podemos começar falando de dezenas de expropriações a bancos e carros fortes na cidade de São Paulo, juntamente com Devanir José de Carvalho e o MRT ( Movimento Revolucionário Tiradentes ) Eduardo e seus companheiros faziam várias dessas expropriações a fim de levantar dinheiro para as organizações estarem lutando contra a ditadura.

Porém as ações que mais “pesaram” em seu vasto repertório foram o seqüestro do cônsul do Japão em março de 1970 e o seqüestro do embaixador Alemão em julho do mesmo ano.

Assassinato de Bacuri 31O seqüestro do cônsul foi comandado por Ladislas Dowbor, e juntaram-se a ele vários guerrilheiros dentre os quais Eduardo, que participou ativamente deste seqüestro que resultou na libertação de 5 presos políticos. Já no seqüestro do embaixador Alemão a coisa foi diferente, porque esse seqüestro foi comandado pelo próprio Eduardo, que numa ação incrível conseguiu realizar o seqüestro com a ajuda de outros valentes revolucionários. E o resultado dessa ação não foi diferente.

Em uma ação quase perfeita a VPR e a ALN libertam de uma só vez 40 presos políticos que sofriam barbaridades nos porões da ditadura. Dentre esses 40 presos que foram libertados estão hoje o deputado federal Fernando Gabeira, o jornalista Cid Benjamin e o ex-deputado estadual do PT do Rio de Janeiro Liszt Benjamin.

A vida de Eduardo era como a de qualquer outro guerrilheiro urbano brasileiro daquela época, eles viviamsobre uma pressão enorme, podendo ser capturado a qualquer momento e a captura significava uma execução sumária ou a tortura.

E devido as prisões estarem lotadas de militantes uma frente formada pela VRP, ALN, Mr8 ( Movimento Revolucionário 8 de Outubro ) e PCBR ( Partido Comunista Brasileiro Revolucionário ) estavam armando um triplo seqüestro que teria grande repercussão e soltaria de uma só vez 200 militantes das prisões e dos porões da ditadura.

Eduardo foi ao Rio de Janeiro fazer o levantamento da vida do embaixador inglês ( que seria um dos seqüestrados ), e lá ele foi preso pela equipe do delegado Fleury. Eduardo era um homem esperto e inteligente, só poderia ter sido capturado mesmo pela traição, e foi o que realmente aconteceu. Eduardo Collen Leite, codinome BACURI, temido por muitos militares e admirado por seus companheiros foi capturado porque o seu parceiro o “aconselhou” a fazer o levantamento da vida do embaixador desarmado, pois poderia “chamar a atenção”, e assim ele foi capturado por Sérgio Paranhos Fleury e sua equipe.

Começa ai meus amigos, os 109 dias infernais vividos por Eduardo Collen Leite.

A sua prisão se deu no dia 21 de agosto de 1970 no Rio de Janeiro. Depois de dominado por Fleury e seus homens ele foi levado para o CENIMAR/RJ, após ser torturado no CENIMAR/RJ, Eduardo é levado para o 41º Distrito policial em São Paulo, onde o delegado titular é o próprio Fleury. Passados alguns dias Eduardo volta para o CENIMAR/RJ, onde é torturado até meados de setembro. Depois ele volta novamente para São Paulo, agora indo para a sede do DOI-CODI, depois ele foi transferido para o DEOPS paulista, onde foi encarcerado na cela 4 chamada de fundão ( celas totalmente isoladas ).

No dia 20 de outubro Joaquim Câmara Ferreira é preso, e no dia 23 ele é morto, pois já de idade avançada sobrevive apenas há 3 dias com as torturas que lhe são impostas. No dia 25 de outubro aimprensa divulga a nota oficial do DEOPS/SP divulgando a morte de Joaquim e dizendo que Eduardo estava preso e que a policia manteve a sua prisão em segredo. Eles disseram que Eduardo foi junto na diligencia para prender Joaquim Câmara Ferreira mais acabou fugindo. Como o que o publicaram era a mais deslavada mentira, estava praticamente assinada a sentença de morte de Eduardo, que se encontrava ainda nas mãos da repressão.

O comandante do DEOPS/SP onde Eduardo se encontrava nessa data, mostra pra ele os jornais divulgando a sua fuga. Mais de 50 presos testemunharam que Eduardo jamais saiu de sua cela enquanto esteve no DEOPS/SP, há não ser quando era carregado para as seções diárias de tortura, que eram feitas pelos militares ( aqueles mesmo que juraram proteger e servir).

Os presos que se encontravam no DEOPS/SP aquela época tentaram salvar a vida de Eduardo, montando um sistema de vigilância 24 horas. Não deu certo. A presa política Cecília Coimbra viu Eduardo que não podia nem andar, mais ela afirma que ele estava com plena consciência do que fazia e falava. E aos 50 minutos do dia 27 de outubro de 1970 Eduardo é levado pelos torturadores e nunca mais volta para o DEOPS/SP, na verdade ele nunca mais foi visto por ninguém, exceto pelos seus torturadores.

policial de codinome Carlinhos Metralha afirma que Eduardo ficou no sitio particular de Fleury, onde ficou vivo até o dia 07 de dezembro de 1970. Mesmo dia em que Carlos Lamarca e a VPR seqüestraram o embaixador suíço. A VPR sabendo que Eduardo estava preso, colocou seu nome em primeiro lugar na lista de militantes a serem libertados em troca do embaixador.

O seqüestro foi o motivo maior para ser consumada a morte de Eduardo, que acreditem vocês ou não queridos leitores, ficou 109 dias num inferno, sendo levado de lá para cá, sem ver seus entes queridos e sendo torturado todo santo dia. E saibam vocês que Eduardo não delatou ninguém, não falou nada sobre os esquemas que sabia e nenhuma queda ocorreu pela boca de Eduardo.

A sua morte foi sem sombra de duvidas uma das mais cruéis já registradas nos anais da história. O corpo de Eduardo foi entregue para sua família num caixão lacrado. A família ao abrir o caixão comprovou na hora a crueldade que fizeram com Eduardo, pois ele estava com dezenas de queimaduras pelo corpo, orelhas decepadas, dentes arrancados, escoriações, hematomas e cortes por todo o corpo.

Assim termina a história, meus caros leitores, desse jovem mineiro de 25 anos. Eu gostaria muito de estar escrevendo outra coisa agora, eu gostaria de estar lhes dizendo que Eduardo lutou o bom combate, que venceu seus inimigos, ou que os mesmos tiveram misericórdia dele. Mais infelizmente não estamos aqui falando de um filme ou uma novela, nós estamos falando de ditadura militar, um sistema político em que pessoas e famílias foram destroçadas aqui em nosso país.

Pensem bem meus amigos o sofrimento enfrentado por esse rapaz. A angustia, a dor, a humilhação que ele sofreu. Agora eu deixo aqui uma pergunta: Alguém estudou sobre Eduardo Collen Leite na 5ª ou na 6ª série? Aposto que não, pois eles preferem falar de Duque de Caxias.

Fica aqui meus amigos esse texto para nossa reflexão dos que o conhecem e o admiram e para o conhecimento daqueles que ainda não ouviram falar de Eduardo Collen Leite, ou simplesmente BACURI.

Ciro Campelo Oliveira – 24 anos

Contato: [email protected] 

Vitória – ES

Compartilhe:

5 comentários

  1. Maleco disse:

    E alguém estudou sobre Mário Kozel Filho na 5ª ou 6ª série?
    De qualquer forma não há justificativa para a tortura. Mas, sim! Eduardo também é, direta ou indiretamente, um assassino.

    http://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%A1rio_Kozel_Filho

    • Sobre morte de Mario Kozel Filho aconteceu o seguinte. Ele estava de guarda quando após o comandante do II Exército ter desafiado a VPR, esta organização da Resistência preparou uma caminhoneta com explosivos. O alvo era o cassino dos oficiais e num horário que não haveria ninguém no recinto – madrugada.
      A caminhoneta foi empurrada ladeira abaixo e, infelizmente, bateu em um poste e se dirigiu em direção à guarita. Parou e o soldado foi ver o que acontecia. Abriu a por do veículo e acionou o detonador.

  2. Carlos veriano disse:

    Primeiro voto devemos perguntar porque as universidades não incorporam no seus currículos que formam professores essa faceta da história política do Brasil. A no dia histórica precisas ser revista nos lugares onde pretensamente se esforça em ativa las sem passar pelo crivo daqueles que experimentaram o caos político. Até hoje temos milhares de documentários sobre o holocausto judeu e os nazistas na Europa cadê os nossos sobre a América Latina. Comissões da verdade sem currículos da verdadev é uma antítese.

  3. Ana disse:

    Um soldado não teme a morte, porque é um soldado e sabe que uma hora vai morrer. Acontecia uma guerra aqui no tempo da ditadura militar. Tanto Mário Kozel como Eduatdo Leite eram soldados e honraram seus propósitos de vida. Só os covardes e cagões se escondem atrás da tortura e assassinam em porões sombrios, igual a esses psicopatas destas séries que tanto sucesso fazem hoje em dia.

  4. Ana disse:

    Um soldado não teme a morte. Porque sabe que uma hora vai morrer. Uma guerra acontecia aqui na época da ditadura militar. Tanto Mario Kozel como Eduardo Leite eram soldados e honraram os seus propósitos de vida. Somente covardes e cagões se escondem atrás de tortura e assassinam em porões sombrios. Igual a esses psicopatas dessas séries que tanto sucesso fazem hoje em dia.

Deixe um comentário

Todos os campos sinalizados (*) são obrigatórios