70 ANOS DE NASCIMENTO E 42 DE MORTE DE SOLEDAD BARRETT PELA DITADURA

Nascida no Paraguai e tida como mulher de rara beleza, Soledad era filha de Alexander Barrett Rafael López, o único filho do grande escritor, jornalista, intelectual e líder anarquista, nascido na Espanha, Rafael Barrett, que chegou ao país em 1904 e deixou uma marca nas lutas sociais de uma época. Tanto o pai quanto o avô foram perseguidos por suas ideias políticas. “O nome de Soledad refletiu a ausência de nosso pai, perseguido por causa da sua política, bem como nosso avô”, disse Nanny, sua irmã.

Assim, quando Soledad tinha apenas três meses de idade, a família fugiu para a Argentina, onde viveu cinco anos, em quatro dos quais o pai esteve preso ou foi perseguido, tanto pela polícia paraguaia quanto pela argentina.

Com frequência, mudavam de um país a outro para escapar de problemas políticos. Onde chegavam, a pequena Soledad se destacava. Ela era uma criatura formosa, de cabelos cor de ouro, macios e longos, pele branca e sobrancelhas de cor castanha escuro quase negra. À medida que crescia, Soledad também passou a se destacar em manifestações políticas. Soledad tinha despertado a sensibilidade social e política muito cedo, desde a adolescência. Ela foi incapaz de escapar dos genes revolucionários de seu avô e seu pai.

Aos 17 anos, ela se tornou alvo de um atentado quando a família morava em Montevidéu, no Uruguai governado por um Conselho Nacional que abolira o cargo de presidente. Na noite de 1º de julho de 1962, no auge de uma série de atentados a comunistas e judeus, Soledad foi sequestrada por quatro homens. Enquanto circulavam de carro pela cidade, os sequestradores não pouparam golpes na tentativa de obrigá-la a repetir frases de louvor a Adolf Hitler. Por ter se negado, os raptores gravaram em suas pernas, com uma navalha, a cruz gamada, símbolo do nazismo.

Fotografias das marcas hoje integram o acervo do Museu da Memória do Uruguai. Damaris, a operária brasileira que anos depois assumiria Ñasaindy como filha, lembra que Soledad não costumava exibir as suásticas: “Eu nunca vi, mas sabia que existiam”.

Começou assim um ciclo de perseguições e prisões mostrando que, para a polícia uruguaia, Soledad passou de vítima à culpada. Ela decidiu deixar o país e seguiu para Cuba, onde conheceu o exilado brasileiro José Maria Ferreira de Araújo – militante da VPR conhecido como Arariboia ou Ariboia, desaparecido no Brasil em 1970 –, com quem se casou e teve uma filha, Nasaindy de Araújo Barrett. Ele retornou ao Brasil e ela acabou por vir um ano mais tarde. Pouco depois de chegar, soube que José María tinha sido capturado e morto. Soledad  encontrou em sua morte mais uma razão para continuar a luta contra as ditaduras que dominavam os países latino-americanos.

Na vida de Soledad cruza cabo Anselmo, que era amigo e companheiro de José Maria, que também havia sido um marinheiro e tinha participado nas revoltas no Rio de Janeiro.

Ao longo do tempo, as suas vidas se aproximando e ele acaba se tornando o novo companheiro de Soledad. Cabo Anselmo é apontado como um dos líderes do protesto dos marinheiros em 1964. Integrou o movimento de resistência à ditadura nos anos 1960 e, na década de 1970, atuou como colaborador do regime militar. Ele era um infiltrado, um agente policial. Não há dúvida (e ele próprio confessou), que desde 1971 colaborava com os mais sangrentos grupos de repressão. E trabalhava com uma terrível eficiência, porque ninguém poderia desconfiar do prestigioso líder dos marinheiros.

É difícil aceitar que alguém poderia chegar a tal nível de desumanidade e maldade como denunciar sistematicamente, por quase dois anos, dezenas, talvez centenas, de companheiros, o que significava entregá-los à tortura e à morte.

Mas Anselmo foi ainda mais longe e completou a sua miserável traição entregando o esconderijo dos membros do grupo do qual ele fazia parte infiltrado, uma chácara no loteamento São Bento, no município de Paulista, em Pernambuco. Junto com outros companheiros, Eudaldo Gomes da Silva, Pauline Reichstul, Evaldo Luís Ferreira de Souza, Jarbas Pereira Marques e José Manoel da Silva, estava Soledad. São torturados e mortos pelo delegado Sérgio Paranhos do DOPS Paulista, amigo de Erasmo Dias que faleceu sem responder a um processo sequer. O episódio ficou conhecido como “massacre da chácara São Bento”.

A versão oficial foi a de um “tiroteio”, em 8 de janeiro de 1973. No tiroteio entre a polícia e um grupo de sete rebeldes, teriam disparado dezoito tiros, sem acertar um só. Receberam 26, catorze na cabeça, o que evidenciaria mortes por execução. Seis deles foram mortos e um tinha escapado. Aquele que supostamente teria escapado era Anselmo e através desse estratagema, a polícia esperava continuar usando seus serviços. Não ajudou muito, porque a traição foi exposta e Anselmo, um dos personagens mais detestados dos anos de chumbo, foi forçado a desfigurar o rosto para evitar ser reconhecido e viveu escondido.

O jornalista Elio Gaspari, em “A ditadura escancarada”, classifica o episódio como “uma das maiores e mais cruéis chacinas da ditadura”. Segundo a versão do jornalista, os militantes foram capturados em ao menos quatro pontos distintos do Recife, torturados e depois levados até a chácara.

Fontes consultadas: 

Árbol Genealógico de Rafael Barrett 

Soledad, a mulher do Cabo Anselmo

Soledad no Recife, livro de Urariano Mota

Soledad Barrett Viedma (1945 – 1973), por Coletivo de Mulheres Violeta Parra

Soledad Barrett Viedma, por Fundação Maurício Grabois

Soledad Barrett Viedma, por Memórias da Ditadura

Soledad Barrett Viedma, vítima ou duas vezes culpada?

Cabo Anselmo: autópsia de uma traição, por Augusto Buonicore

Comissão da Verdade de Pernambuco articula convocação de delegado de São Paulo, por Tércio Amaral

Literatura e Autoritarismo: Soledad no Recife. Capítulo 10, por Urariano Mota

Livro do jornalista Luiz Felipe Campos detalha chacina na ditadura, por Débora Duque

Nesta foto tinha um pai, por Luiza Villaméa

Sobrevivente da “Chacina da Chácara de São Bento” reaparece e faz novas revelações sobre o caso. (Parte 1)

Sobrevivente da “Chacina da Chácara de São Bento” reaparece e faz novas revelações sobre o caso. (Parte 2)

** não achei a parte 3

Sobrevivente da “Chacina da Chácara de São Bento” reaparece e revela fatos novos sobre o caso (Parte 4)

Sobrevivente da “Chacina da Chácara de São Bento” reaparece e faz novas revelações sobre o caso. (Parte final)

La última revolución de Soledad Barrett, por Andrés Colmán Gutiérrez

 

 https://www.youtube.com/watch?v=OE1Yuaj8buY

 https://www.youtube.com/watch?v=oiCnHj40yOc

 

Compartilhe:

Arquivos para download:

1 comentário

  1. Letra para canção
    SOL (a Soledad Barrett) Chamavam-te Sol/embora fosses Soledad /Talvez para tornar mais doce/teu nome de tantas letras//Ou quem sabe/porque clara era a tua face/e belos eram decerto/os teus olhos guaranis.// Chamavam-te Sol/embora fosses Soledad/Mas nunca se viu um nome/ser assim tão a pessoa.//Porque de sol era o riso/que carregavas na bolsa,/de Sol era a tua fala,/o teu desejo de justiça,/de Sol era teu gesto/de viva fraternidade./De sol era a chama/da tua morta juventude./De sol era o teu corpo/metralhado e indefeso./De sol é a luz,/que nasce a cada manhã.//Chamavam-te Sol/embora fosses Soledad./Um dia, serás arrebol/e teu nome: Liberdade. (Oswald Barroso)

Deixe um comentário

Todos os campos sinalizados (*) são obrigatórios