DOCUMENTOS REVELAM PERSEGUIÇÃO DA DITADURA À CASSANDRA RIOS, A PRIMEIRA ESCRITORA BRASILEIRA QUE ESCAPOU DA HETERONORMATIVIDADE

Ninguém foi mais perseguida pelos censores da ditadura militar brasileira do que Cassandra Rios, escritora recordista em vetos durante o regime, com 36 dos seus 50 livros publicados censurados durante a vida – fora algumas edições clandestinas.

Segundo o professor Rodolfo Londero, “Cassandra Rios incomodou os militares por várias razões. A principal delas é o conteúdo erótico de seus livros. A ditadura considerava perigosa qualquer orientação sexual que escapasse da heteronormatividade.”

Como resultado das perseguições, Cassandra Rios, nome adotado pela escritora Odete Rios,   foi à falência em 1976, ano em que 14 obras da escritora foram censuradas em apenas seis meses. “Ela perdeu quase tudo e teve de fechar a livraria. Lembro que ficou arrasada nessa época, sem chão”, conta a sobrinha, Liz Rios.

Documentos Revelados publica em anexo vasta  documentação censória preservada no Arquivo Nacional de Brasília. São dezenas de ofícios do governo dos militares comunicando a incineração do material apreendido e relatórios dos censores.

Compartilhe:

Arquivos para download:

Deixe um comentário

Todos os campos sinalizados (*) são obrigatórios