GENOCÍDIO BRASILEIRO. ATROCIDADES CONTRA AS NAÇÕES INDÍGENAS COMETIDAS DURANTE A DITADURA MILITAR

Na foto que ilustra essa matéria, homens se prepara para cortar ao meio uma mulher da etnia Cintas-Largas, em um território indígena, na região entre o Mato Grosso e Rondônia, em 1963.
Essa imagem faz parte do vergonhoso episódio conhecido como Massacre do Paralelo Onze:
os governos militares desenvolveram políticas de ocupação do centro e norte do país, permitindo a expansão de fronteiras agrícolas, fato que consequentemente intensificou o processo de grilagem de terras, favorecendo o aumento de poder dos grandes latifundiários e incentivando um massacre.
Nessa catástrofe, mais de 3.500 índios foram dizimados. A maioria envenenados por arsênico, colocado em suas comidas de forma proposital, com ajuda de agentes do Estado.

Autor da Foto: Der Spiegel/ O Globo

Parte dessas atrocidades vieram à tona com o Relatório Figueiredo, um conjunto documental de 30 volumes com mais de 7 mil páginas que ficou esquecido durante quarenta e cinco anos e que trata dos crimes cometidos contra os índios. O relatório produzido entre novembro de 1967 e março de 1968 pela Comissão de Investigação do Ministério do Interior presidida por Jader de Figueiredo Correia,

O ponto de partida do Relatório Figueiredo foram os crimes do Serviço de Proteção aos Índios (SPI) registrados em 1963 pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), com ampla repercussão fora do Brasil, incluindo o assassinato, em 1960, de 3.500 índios Cinta Larga, envenenados com arsênico.A pressão internacional levou a Casa Civil a solicitar providências ao ministro do Interior, Gen. Albuquerque Lima, que criou, em julho de 1967, a Comissão de Investigação (CI), presidida por Jáder de Figueiredo, Procurador do Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (DNOCS).
Depois de percorrer diferentes regiões do país e de ouvir centenas de funcionários e índios, a Comissão registrou fatos estarrecedores: crimes sistemáticos contra a pessoa e o patrimônio indígena, massacres e extermínios, esbulho e venda ilegal das terras indígenas, desvios de verbas, fraudes, roubos, suborno, falsificação de documentos. O próprio chefe do SPI, o major da Aeronáutica, Luiz Vinhas Neves, responsável pela chacina dos Cinta-Larga, foi acusado de ter faturado quantia exorbitante na época de mais de 1 bilhão de cruzeiros velhos.
O SPI, no lugar de Proteção, passou a ser Serviço de Perseguição aos Índios. Castigos físicos, torturas no “tronco” que provocaram aleijamento, mutilações e mortes, cárcere privado, prisões independente da idade ou do sexo, maus tratos, chicotadas, trabalho escravo, espancamento, assassinatos com requintes de perversidade, viraram rotina, assim como índios pendurados pelos polegares, outros mantidos em cisternas com excrementos humanos, estupros de índias usadas em serviços domésticos.
Dezenas de depoimentos como esse foram registrados, incluindo o envio de parturientes para a roça um dia após o parto, proibidas de levarem consigo o recém-nascido, “tratamento muito mais brutal que o dispensado aos animais, cujas fêmeas sempre conduzem as crias nos primeiros tempos“, escreveu o procurador Jáder Figueiredo, um pacato e honrado burocrata que não conseguiu conter sua indignação:
O índio, razão de ser do SPI, tornou-se vítima de verdadeiros celerados que lhe impuseram um regime de escravidão e lhe negaram um mínimo de condições de vida compatível com a dignidade da pessoa humana. É espantoso que exista na estrutura administrativa do País repartição que haja descido a tão baixos padrões de decência. E que haja funcionários públicos, cuja bestialidade tenha atingido tais requintes de perversidade”.
A bestialidade alcançou Jader, que sofreu ameaças de morte, foi transferido de Brasília para o Ceará e morreu aos 53 anos num acidente de ônibus nunca investigado.

Acesse o relatório Figueiredo na íntegra, clicando no link abaixo

https://pt.scribd.com/doc/142787746/Relatorio-Figueiredo

 

 

Compartilhe:

Deixe um comentário

Todos os campos sinalizados (*) são obrigatórios