Comunicados da Vanguarda Popular Revolucionária – VPR, uma das organizações da resistência à ditadura

Vanguarda Popular Revolucionária / VPR

Após o Golpe Civil-Militar de 1º de abril de 1964 vários grupos de resistência ao regime se formaram no país. Essas organizações combatiam de todas as formas a ditadura implantada pelos militares. As ações dos opositores iam desde simples contestações com discursos e panfletos clamando por liberdade até atitudes mais extremadas, como as ações armadas.

A VPR surgiu em 1968 da fusão do setor majoritário da Organização Revolucionária Marxista – Política Operária (Polop)com grupos de militares originários do Movimento Nacionalista Revolucionário (MNR). No ano seguinte, a VPR surgida dessa fusão somou forças com o Comando de Libertação Nacional (Colina), dando origem então à Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VARP). Três meses depois, como conseqüência de divergências políticas no novo grupo há uma nova divisão. A VARP racha e a VPR ressurge.

Tal como os demais movimentos da Resistência a Vanguarda Popular Revolucionária padeceu com a repressão empreendida pela ditadura. Aos poucos, seus membros foram sendo capturados, presos e torturados e assassinados pelos órgãos de repressão da ditadura.

Os documentos anexados são os comunicados expedidos pelo Comando Nacional da VPR.

O primeiro datado de janeiro de 1970 e assinado pelo Capitão Carlos Lamarca explica o racha dentro da VAR-Palmares e o ressurgimento da VPR.

No segundo, de 4 páginas, o Comando faz uma análise da conjuntara e traça planos de luta.

 

Ambos documentos foram apreendidos pela repressão da ditadura e encontram-se no AN.

 

 

 

 

Compartilhe:

4 comentários

  1. Gostei Comentários (2) Compartilhar 14 horas atrás
    MARLENE SOCCAS Eu também militei na VPR, depois VAR-Palmares. Fui presa em maio de 1970, libertada em junho de 1972. Estive na OBAN, DOPS, Presídio Tiradentes, São Paulo. Suadações comunistas, Marlene Soccas. 9 horas atrás
    MARLENE SOCCAS Fui torturada pelos militares Capitão Homero, Albernaz, Dalmo, Cirilo, Delegado Gaeta. Fiquei 12 dias na Operação Bandeirantes, 45 dias no DOPS e 2 anos e dois meses no Tiradentes. 9 horas atrás

  2. ariel disse:

    Boa noite.
    Gostaria de saber se Sr não poderia disponibilizar esse documento com uma qualidade melhor.
    Seria de extrema utilidade em meu projeto de tcc sobre a luta armada de esquerda.
    fico deis de já muito grato pela atenção.

Deixe um comentário

Todos os campos sinalizados (*) são obrigatórios