DOCUMENTOS DO MOVIMENTO REVOLUCIONÁRIO TIRADENTES – MRT -APREENDIDOS PELA REPRESSÃO

3MAIO1971

MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA

IV ZONA AÉREA

DIVISÃO DE INFORMAÇÃO

DOCUMENTOS APREENDIDOS EM APARELHO DO MOVIMENTO REVOLUCIONÁRIO TIRADENTES – MRT

DIFUSÃO  II EXÉRCITO – U AÉREA

DIFUSÃO ANTERIOR – EMAER – GABAER-DIS/COMZAE 1,2,3,5 E 6 – CH/CISA/COMFAB/COMCOS-CISA-DR

REFERENCIA ENCAMINHAMENTO Nº 181 CISA RJ DE 29ABRIL71

ENCAMINHAMENTO 177/DSEGA

Baixe os documentos em PDF clicando abaixo

http://pt.scribd.com/doc/96434474

O Golpe de Estado dado em 31 de março de 1964 teve como objetivo maior a destruição da organização da classe operária. A ideia difundida pelos golpistas que os setores reformistas do governo democrático de João Goulart queriam implantar uma República anarco-sindicalista

indica que os trabalhadores conscientes e organizados eram o alvo a ser  abatido  com o assalto ao poder efetuado pela direita brasileira. De fato, as  primeiras ações da ditadura implantada foi assaltar os sindicatos e impor diretorias obedientes ao poder imposto e a burguesia. Com isso garantiam que os trabalhadores fossem esmagados e marginalizados do processo  político, pois esse era o objeto maior do próprio golpe.

O partido hegemônico da esquerda brasileira, o PCB, não tinha há uma  década o objetivo de tomada do poder e atrelou seus destinos ao projeto

reformista da centro-esquerda. Como consequência, não teve a  preocupação em preparar a defesa contra um golpe de Estado, nem de criar

condições para a resistência a ditadura que se aproximava. A classe operária perde sua vocação revolucionária.

A resistência ao golpe é feita pelos setores nacionalistas, notadamente as    camadas militares perseguidas pela ditadura, e a classe operária procura sua  organização longe do PCB. Essa organização só consegue ser operativa    cerca de dois anos após o assalto ao poder da direita e seus agentes fardados.

Enquanto isso, os setores indignados da pequena burguesia conseguem  se agrupar em torno dos protestos estudantis, com muito mais facilidade de   organização e de mobilização.

Devido a essa conjugação de fatores, a concepção acerca de um suposto  papel secundário da classe operária na luta de resistência à Ditadura Civil-    Militar se cristalizou de maneira bastante homogênea no campo da  memória sobre o período.

Além do projeto de resistência armada ter sido derrotado, e seus  integrantes serem os vencidos no processo de luta que se deu, houve a

construção de uma segunda categoria de vencidos, dentro da já existente:

os operários. A esses, dada sua dificuldade de organização, coube o silêncio e o ostracismo. A história contada pelos setores de classe média imputa aos   operários uma responsabilidade indireta pelo fracasso da resistência, pois supostamente não teriam aderido, enquanto conjunto da classe operária, a      resistência contra a Ditadura.

Entretanto uma análise mais cuidadosa do processo de luta, armada ou , contra a Ditadura Civil-Militar, entre os anos de1964 a1976,

revela-nos uma realidade histórica diferente.

A classe operária teve no Brasil, ao longo dos anos 60, diferentes   estratégias de resistência, com significado próprio e independente da

vontade de setores médios e estudantis.

Um amplo leque ideológico cortava o movimento por todos os lados,   desde católicos ligados a comunidades eclesiais de base; “pelegos”

(operários vinculados e/ou a serviço das políticas que o governo traçava

para a classe operária) até comunistas e socialistas, ligados, até 1964,

principalmente ao Partido Comunista Brasileiro. Este complexo e rico

contexto histórico exprimia as contradições da classe operária. Entretanto

um importante passo adiante foi dado nestas relações sociais marcadas por

clientelismo e negociação.

Apesar de a resistência operária ter se valido de suas estratégias

históricas como greves, paralisações e piquetes, o Ato Institucional Nº5,

outorgado pela Ditadura em 13 de dezembro de 1968, em resposta as

grandes manifestações populares daquele ano, notadamente as greves de

Osasco (São Paulo) e Contagem (Minas Gerais) colocou a classe operária

novamente em refluxo.

Neste momento, um dos maiores embates da luta de classes no Brasil,

um salto de qualidade foi dado pelos operários que optaram por se inserir

em definitivo na estratégia de luta armada pela derrubada da Ditadura, e,

em um exemplo claro de “classe-para-si”, a implantação do Socialismo em

seu lugar.

Diversas organizações da esquerda armada tiveram entre seus quadros

militantes de origem operária, apenas algumas organizações não

conseguiram se aproximar ou dialogar com estes trabalhadores, tornando-

se organizações fundamentalmente estudantis ou pequeno-burguesas.

O Movimento Revolucionário Tiradentes – MRT– foi um dos casos

onde não só a maioria de seus militantes provinha da classe operária, como

seus líderes também eram operários.

O MRT surgiu em setembro de 1969, em uma reunião em Campos do

Jordão, reunindo dois grupos. O primeiro era composto por integrantes do

GENR, o Grupo Especial Nacional Revolucionário, um “racha” da Ala

Vermelha – Partido Comunista do Brasil, organizados e liderados por

Devanir José de Carvalho; o outro grupo era conhecido como “grupo do

Omar”, na verdade, Plínio Peterson de Oliveira e pessoas que orbitavam ao

seu redor.

O nome da organização foi escolhido        em referência ao grupo de mesmo nome   fundado por Francisco Julião, das Ligas Camponesas, origem da Ala Vermelha, fundada por militantes ligados, entre outros, ao antigo MRT.

O MRT, seguindo a trajetória do GENR, adotaria uma linha de ação que os

aproximaria da VPR e da ALN, prezando ações armadas em detrimento ao um trabalho de base em longo prazo, por essa razão, a negação do papel do partido marxista-leninista centralizador das ações.

De fato, o MRT empreendeu uma série de ações expropriatórias, as quais fizeram rapidamente aumentar seu “prestígio” com os órgãos de repressão, e, ao mesmo tempo, sua fama com os militantes da esquerda armada da década de 1970. Além de ter feito duas edições de seu jornal próprio, o Voz Guerrilheira.

Uma das características marcantes é que, apesar da forte repressão de 1970, houve por parte do MRT a busca em coordenar ações em conjunto com outras organizações revolucionárias. Apesar da fragmentação latente       da esquerda na época, seja pela perseguição policial, ou por embates ideológicos, buscou-se, num dos períodos mais difíceis para isso, a união,

se não física, pelo menos, de forças na luta contra a Ditadura Civil-Militar.

A constituição da chamada Frente, foi pensada e praticada por Devanir

José de Carvalho (Henrique) e Eduardo Leite (Bacuri) em fins de 1969.

Carlos Lamarca, à época na VPR, em um documento chamado Frente – a

grande tarefa, exalta a iniciativa de reunir as organizações de combate a

ditadura, por acreditar que a reunião de forças de diversas organizações

traria melhores resultados para a luta armada. A ALN, agora dirigida por

Joaquim Câmara Ferreira (Toledo), ainda combalida pela morte de seu

maior líder, Carlos Marighella, prestigiou a articulação da Frente como

uma nova estratégia de luta.

A Frente Armada Revolucionária reuniu na ação o MRT, ALN, VPR,

MR-8 E PCBR. A REDE (Resistência Democrática), liderada por Bacuri,

se fundiu com a ALN e trilhou o mesmo caminho. Muito mais do que fazer

ações, as Organizações Revolucionárias da Frente assinavam documentos e  panfletos distribuídos nas ações armadas feitas pelas demais organizações.

A primeira ação coordenada pela Frente foi a captura do cônsul japonês

em São Paulo, Nobuo Okuchi. A ação aconteceu antes mesmo da constituição oficial da Frente, numa demonstração clara do grau de solidariedade existente entre as organizações e de como esta ação foi o

“embrião” da Frente. MRT, REDE e VPR se mobilizaram para resgatar o

dirigente da VPR Chizuo Osava, conhecido como “Mario Japa”, capturado

em 7 de março de 1970, que passava por terríveis torturas e precisava ser

salvo.

Na época, a VPR passava por um período difícil, sem condições de realizar uma operação de envergadura. Um de seus dirigentes, Ladislau Dowbor, procurou os líderes do MRT, Devanir José de Carvalho “Henrique”, e da REDE Eduardo Leite “Bacuri”, para solicitar colaboração.

Rapidamente, os três planejaram a ação e dirigiram com com sucesso o

seqüestro do cônsul japonês, em 11 de março de 1970. Apenas quatro dias

depois, no dia 15, cinco militantes foram levados para o México em troca da libertação do diplomata.

A segunda grande ação foi a expropriação do carro-pagador da empresa Brinks, maior resultado depois da expropriação do cofre do ex-governador de São Paulo Adhemar de Barros, com milhões de dólares fruto de

corrupção. Em 15 de setembro de 1970, o carro blindado da transportadora de valores Brinks foi interceptado na Rua Estados       Unidos por um destacamento de quinze militantes, entre os quais estavam alguns dos melhores homens da linha de Frente. No comando estavam Yoshitane Fujimore, da VPR, Devanir José de Carvalho, do MRT, e José        Milton Barbosa, da ALN.

A FRENTE sofreu forte impacto com a captura e assassinato de Joaquim Câmara Ferreira (Toledo), dirigente da ALN. O plano de um múltiplo seqüestro para libertar todos os presos políticos e deteriorar ainda mais a imagem da Ditadura no cenário internacional, é suspenso e espera uma nova etapa de organização. Por problemas internos, a VPR se distancia

dos planos da FRENTE e Carlos Lamarca se desloca de São Paulo, onde

estava protegido em aparelho do MRT, para o Rio de Janeiro num comboio de escolta formado por guerrilheiros de sua organização e do MRT.

Sob o comando de Lamarca, a VPR executa o seqüestro do embaixador

suíço Giovanni Bucher por conta própria e liberta setenta presos políticos,

entre eles estão os irmãos de Devanir – Joel, Derly e Daniel José de

Carvalho, presos há um ano. A Frente desestruturou-se na metade de 1971,

quando as principais organizações sofreram pesadas baixas.

O MRT recebeu reforços com a chegada de Joaquim Alencar de Seixas,

operário que vivia no Rio Grande do Sul, que passa a ser comandante do

MRT. Os irmãos de Devanir aderem ao MRT ainda na prisão, do mesmo

modo que Aderval Coqueiro, militante do GENR, que regressaria ao Brasil,  após ter sido trocado pelo embaixador alemão Ehrenfried Von Holleben e ter feito treinamento em Cuba durante o exílio. Dimas Antônio Casemiro,

operário gráfico e ex-militante da VAR-Palmares também reforça o MRT.

A liderança exercida por Devanir José de Carvalho, “Henrique”, foi

fundamental no processo de luta armada, em São Paulo, e na articulação

com as outras organizações. São vários depoimentos de militantes de

organizações como VPR, ALN, POC, REDE, entre outras, que quando se

dirigiam para São Paulo para aderir a uma organização ou recuperar

“pontos” perdidos com as regionais do estado, tinham algum tipo de

contato com Devanir. O fato é que “Henrique” esteve no centro de todas as

articulações da maioria das organizações que compunham a Frente, e

praticamente era a face visível do MRT.

Exatamente por exercer este papel, Devanir tornou-se objeto de caça por

parte da repressão. Em dezembro de 1970, Eduardo Leite “Bacuri”, outro

grande objetivo da repressão, foi assassinado após de meses de torturas

violentas que resultaram em uma orelha decepada, dedos e pernas

quebradas, além de olhos vazados, antes que pudesse ter sido incluído na

lista de presos políticos a ser trocado pelo embaixador suíço.

O início de 1971 foi definitivo para o MRT. Em 6 de fevereiro, Aderval

Coqueiro foi assassinado a tiros pelos agentes do DOI-CODI, no Rio de

Janeiro; uma série de militantes são presos em São Paulo e, em 7 de abril,

Devanir é morto pelo Esquadrão da Morte comandado pelo delegado

Sérgio Paranhos Fleury, em São Paulo.

Em represália à morte de “Henrique”, em 15 de abril de 1971, o

comando Devanir José de Carvalho, formado por integrantes do MRT e da

ALN “justiçou” o empresário Henning Albert Boilesen – presidente do

Grupo ULTRA, arrecadador, financiador da repressão e instrutor de

torturas, freqüentador assíduo da OBAN.

Diante de tal afronta, a repressão foi        implacável. Joaquim Alencar de Seixas foi capturado e morto sob cruéis torturas. Dimas Antônio Casemiro foi fuzilado quando chegava em sua casa. Os contatos e trabalhos de massa clandestinos, coordenados por Devanir, Seixas e Dimas se perderam na

história, pois nenhum deles forneceu qualquer informação ao inimigo. A série de prisões após o justiçamento de Boilesen desativou o Movimento

Revolucionário Tiradentes.

Passados quarenta anos, após mistificações e esquecimentos próprios de

um terreno pantanoso conhecido como campo da memória, é nosso dever

reconstituir a trajetória destes operários que deram um passo à frente nas

relações históricas de sua classe, não aceitando negociar, nem recuar

esperando melhores condições ou oportunidades, levando até o fim suas

lutas pela emancipação da classe operária.

Tendo como fim o socialismo e enfrentando o julgo fascista da Ditadura,

mesmo que alguns deles não estejam mais entre nós, vítimas da política de

extermínio do Estado à época, os militantes do MRT marcaram seus nomes

na história, e todos os esforços devem ser feitos para o resgate de suas memórias.

 TEXTO DE AUTORIA DO NÚCLEO MEMÓRIA DE SP


 

 


Compartilhe:

Deixe um comentário

Todos os campos sinalizados (*) são obrigatórios