TRÊS MATÉRIAS QUE ABALARAM OS ÓRGÃO DE INFORMAÇÃO DA DITADURA E DERRUBARAM UM DELEGADO DA PF

Três matérias que eu publiquei em 1980, no jornal Correio de Notícias, de Curitiba, causaram um baita alvoroço nos órgãos de informação e na repressão do governo militar. O CN era editado pelo jornalista Fábio Campana.

Era época de distensão política, a Anistia tinha sido promulgada e a transição negociada da ditadura para a democracia estava adiantada, apesar de ainda vigorar as leis de Segurança Nacional e de Imprensa; ambas cerceadoras da liberdade de informação.

Nós, jornalistas insubmissos, rompíamos a censura publicando o que era considerado sigiloso.

A primeira matéria foi sobre a rebelião camponesa ocorrida em Caaguazú, Paraguai. O assunto, era considerado altamente secreto pela ditadura do general Alfredo Stroessner e pela ditadura militar brasileira. As duas ditaduras tremiam quando havia instabilidade social na área da Hidrelétrica e Itaipu.

Pois bem, assim que fiquei sabendo pelas minhas fontes ligadas à resistência à ditadura paraguaia, que os camponeses estavam sendo massacrados, fui até a agência dos Correios de Foz do Iguaçu e escrevi a matéria no aparelho de telex. Foi a primeira vez que usei o tal aparelho e enquanto escrevia, a fita perfurada do telex enrolava entre minhas pernas.

Matéria enviada, matéria publicada no Correio de Notícias e também no Le Monde. Conseguimos romper a barreira da censura e o mundo tomou conhecimento do que estava acontecendo no Paraguai.

A outra matéria foi sobre o contrabando de café que corria solto na fronteira Brasil Paraguai e que foi publicada pelo jornal curitibano em 12 de abril de 1980.

A reportagem sobre o contrabando de café que acontecia debaixo das barbas das autoridades, rendeu a transferência do delegado chefe da Polícia Federal de Foz do Iguaçu.

 

Compartilhe:

Arquivos para download:

Deixe um comentário

Todos os campos sinalizados (*) são obrigatórios